Feed organizado no Instagram: quais os limites?

Como eles têm ajudado ou atrapalhado o processo de compra nessa mídia social.





A era de vendas online e presença digital das marcas trouxe muitos assuntos à tona. Um deles, que ainda parece um tabu é o tal do “feed organizado no Instagram”.


Pra quem não sabe do que estamos falando, é uma prática que muitas empresas têm adotado para manter uma harmonia entre as postagens. Fotos com o mesmo estilo, cores que combinem, filtros iguais… até aí tudo bem. Muitos blogs e profissionais têm defendido essa prática mas podemos considerar que agora ela fugiu do controle e desde então, pouco se vê falar sobre isso... Postagens sem conteúdo, sem informação, fotos que violam direitos autorais (sim, precisamos mencionar isso!), fórmulas de assuntos para postagens e diversos outros fatores que vamos comentar mais a frente.


Uma das bases de toda postagem em mídia social é a utilidade. O quão útil aquele post será para o meu usuário? O quanto aquilo irá interessar aos seguidores? A era do feed organizado parece que abandonou o princípio da utilidade pois foca em coisas que não necessariamente agregarão ao usuário. Sem contar também das muitas veze que impede as marcas de postarem um determinado conteúdo por "não combinar com o feed".


Separamos aqui algumas práticas que podem ser positivas e outras que devemos abolir ou repensar em como usar.


É positivo:


  • Pensar nas postagens com identidade e harmonia entre si. Isso cria a sua imagem e faz com que as pessoas te reconheçam mais facilmente. Não se encaixa apenas para o Instagram, mas para toda a comunicação de uma marca.

  • Imagens que não sejam do produto propriamente dito. Podem ser de funcionários, clientes, seu ponto de venda e dependendo dos casos, até uma foto de um céu. O que importa é o conteúdo que ela traz. Não tem problema você ter uma foto de um céu no Instagram de uma loja de roupas, desde que aquele céu traga na legenda uma informação útil, por exemplo, dizendo que naquele dia ensolarado, a loja estará aberta até mais tarde. Como já mencionei, utilidade!

  • Mosaicos de fotos. É bem comum ver empresas que postem uma foto “recortada” entre as postagens. O problema é que quando essas fotos ficam recortadas, elas geralmente perdem completamente o sentido de uma foto. Essa prática deve ser adotada quando as postagens sozinhas (como aparecem no feed dos seguidores) fazem sentido e ainda sejam agradáveis de ver. É preciso ter muito cuidado com esse tipo de estratégia.


É negativo:

  • Postar fotos de objetos, situações ou pessoas que não condizem com seu negócio ou que não tenham uma finalidade. É muito comum ver as fotos chamadas de “respiro”, que geralmente são fotos com poucas informações, mais limpas, para dar, de fato, um respiro no feed. Essa foto é quase que um item decorativo no Instagram da empresa, a pergunta que fica é: essa decoração é necessária? Será que ela não está atrapalhando o seu consumidor e lhe entupindo de informação desnecessária? Mesmo que ela seja uma foto com pouca informação, na composição do feed de rolagem do usuário, isso ainda é uma informação e na maioria das vezes, desnecessária.

  • Deixar de postar porque vai “estragar o feed”. Nem preciso comentar muito sobre isso, certo? Se a postagem tem conteúdo relevante, é condizente com a identidade da empresa, tem valor agregado… precisa mesmo deixar de postar por esse motivo?

  • “Roubar” fotos. As tais fotos de respiro são muito comuns, mesmo. Mas você já parou pra pensar em quem é o autor daquela fotografia? Muito cuidado com a reprodução de conteúdo que não te pertence! Não custa separar um espaço na legenda para creditar o autor da foto ;)

  • Manter fotos de produtos que não estão disponíveis. Muitas empresas, principalmente lojas, têm o pensamento de que é preciso ter “volume” nas redes, mostrando diversos produtos. Muitas das vezes, tais produtos já foram vendidos e não há reposição dele, então, será que não vale arquivar aquela foto até que o produto esteja disponível novamente? É preciso mesmo dar esse desgaste ao usuário em troca de volume? Ou melhor, volume é mesmo algo bom? Repense as informações que são de fato necessárias em sua rede. Não tente enganar seu cliente!


Podemos pensar no Instagram como uma prateleira. Nessa prateleira você coloca os itens essenciais, que fazem sentido e possuem uma utilidade para você. Quando esses itens são harmônicos entre si, você passa a ter uma sintonia entre eles e isso é agradável aos olhos, mostra que você teve cuidado em organizá-los. Você pode até ter alguns itens decorativos, mas todos eles possuem um sentido e significado claro, a quantidade deles é pequena, para que não “tape” a visão do realmente você precisa.


Uma vez que você começa a acumular lixo e itens desnecessários, sua prateleira começa a ficar bagunçada e confusa, você não encontra mais os itens que precisa no dia a dia e começa a abandoná-los lá no fundo, pois encontrou uma outra prateleira com esses mesmos itens e é mais fácil de ter contato com eles lá.


Mídias sociais são movidas por estratégias. Crie a sua de maneira consistente e de maneira que faça sentido com seu público!


Gostou desse conteúdo? Então compartilhe ele com mais pessoas e deixe seu feedback para nós.


#Dicas #SocialMedia #Instagram